segunda-feira, 27 de agosto de 2012

NÃO À TV QUE SE VÊ E SIM À TV QUE NOS FAÇA SER


OBJETIVO:

Continuar o tema do Encontro (O poder da TV no mundo da criança e do adolescente), enfocando o papel dos pais na correção dos filhos para um uso correto da TV. Sensibilizar os pais sobre a importância de reassumirem a função de verdadeiros educadores da família.


O que diz a Bíblia
A Palavra de Deus vem nos orientar sobre a missão que os pais exercem na família, como educadores dos filhos. A família é a primeira escola. É nela que nos formamos como pessoa humana. Muitos filhos, porém, não conseguem valorizar os pais que têm. Também existem pais que fogem de seus compromissos na vida familiar.
Leitura: Eclesiástico 30,1-6 (Educação dos filhos).


TV e estruturação da família

Quase todos os cidadãos são, direta ou indiretamente, envolvidos diariamente pela TV. As nossas

conversas estão quase sempre voltadas para o que nela assistimos. Considerada o símbolo da modernidade, a TV pode ser responsável pelos principais problemas atuais na educação dos filhos e estruturação da vida familiar:
1. As famílias estão sujeitas às doutrinas ensinadas nas emissoras, que estão a serviço de uma informação de consumo e da conseqüente individualização das pessoas.
2. Crescem as queixas dos pais em relação aos filhos quanto à desestruturação da vida emocional, dificuldade de aprendizagem, modismo etc.
3. Nos estudos, os alunos ficam cada vez mais agitados e desconcentrados.
4. Os jovens estão perdendo o "senso crítico" na formação de sua vida sexual; já não sabem mais definir corretamente o que é sexualidade.

A TV como arma de defesa dos pais


A TV , hoje, muitas vezes está sendo utilizada pelos pais como um bom anestésico para seus filhos.

Até em instituições educacionais, como creches, alguns educadores deixam a TV ligada por horas, não tendo o trabalho de organizar atividades educacionais, pois a TV já traz tudo pronto.
Também serve para babás e empregadas domésticas que, precisando dar conta da limpeza da casa,
colocam as crianças diante da TV.
Mas os pais parecem que estão com medo de filhos criativos, questionadores, espertos. Buscam
robotizá-Ios, controlá-Ios para que não se rebelem. Assim, a apatia e falta de criatividade, geradas pela TV na vida da criança, vão representar para alguns pais um comportamento positivo: "Eles são tão quietos e educados!". Uma criança sem criatividade é como um "animal" encabrestado, que você pode levar para onde quiser.
Isto vem acontecendo porque muitos pais têm medo de criar seus filhos para a vida. Pensam que
poderão ter seus filhos na palma da mão por toda a vida. Mas a criança "educada" pela TV trará mais consequências negativas para seu desenvolvimento, e isto faz com que o "tiro saia pela culatra", pois os pais precisarão, posteriormente, correr atrás do prejuízo. Crianças e adolescentes não aceitam os limites quando colocados de maneira impositiva, sem reflexão.
Eles também se rebelam contra as incoerências dos adultos, principalmente dos pais. Não basta os pais desligarem a TV, é necessário ser presença afetuosa. Não basta que as crianças se privem da TV, é necessário que também os pais não sejam dependentes dela.

Resgatando a identidade de pais

Uma das respostas mais freqüentes quando se questiona a TV aos pais é a de ser impossível criar outra maneira para educar os filhos que não seja o recurso da TV Com muita freqüência, escutamos: “De que vai adiantar tirarmos nossos filhos da TV se eles podem buscar, na casa de amigos, este recurso? Prefiro que vejam as coisas ruins perto de mim mesmo".
É assumindo a postura de pais, responsáveis diretos pelo bem-estar dos filhos, que poderemos pelo
menos sonhar com a possibilidade de uma educação mais humana para as nossas crianças. Quanto maior for o número de adultos corajosos em resgatar a identidade de pais, mais perto estaremos da utopia de uma nova sociedade. As crianças só poderão sobreviver integradas e vitalizadas na sociedade se tiverem ao seu redor adultos com coragem de ser adultos, pais com coragem de ser pais.

Criatividade driblando o poder dos MCS

A nós, adultos, falta muita criatividade. É por intermédio dela que vamos conseguir dar passos

diferenciados no cotidiano da sociedade moderna. Ações simples, mas que sejam mais sedutoras do que as propostas da TV Ações mais interessantes do que uma tarde com Faustão, uma manhã com Xuxa, um Domingo com o Sílvio Santos, as manhãs com Pica-pau, He-Man ou uma noite na Tela Quente etc. A criatividade no adulto está ligada à sua capacidade de ser e reviver a criança que existe dentro de si, ao poder entrar na fantasia da criança, com suas artimanhas e seduções. Com certeza, as crianças preferem as brincadeiras e as travessuras dos adultos que as cercam à mesmice dos programas de TV por serem estes, na sua maioria, apenas um jogo de som e imagem e não darem às crianças o afeto e a presença que uma brincadeira proporciona.
A TV que queremos e podemos ver é um dever, um sonho. Assim como uma nova sociedade.
É pela criança e pelo adolescente que queremos e vamos dizer NÃO à TV que se vê e SIM à TV que nos faça SER.

Finalizando o encontro

Como lição a ser vivida por todos, ler o seguinte texto:
Com muita criatividade, uma mãe, vendo quanto tempo todos da família ficavam diante da TV, e
sentindo-se incomodada pela falta de diálogo entre os filhos e o marido, resolveu desligar um fio da tomada onde ligava o televisor. Os filhos, não conseguindo ligar o aparelho, queriam que os pais levassem-no ao conserto. Ela conseguiu deixar a TV desligada por duas semanas. Num determinado momento, perguntou a todos o que eles achavam que havia mudado em casa. A maioria percebeu melhoras no entrosamento e nas atividades que faziam juntos. No mesmo momento, a mãe ligou o fio da tomada e o televisor e disse que havia feito um teste, pois sentia que estavam trocando o convívio familiar pela TV. E propôs que fizessem a escolha: que tipo de convívio preferia. A família, então, decidiu diminuir as horas diante da TV


1 comentários:

Eugenia disse...

Olá, vi que seu blog era "vizinho" e vim visitar...
Essaa postagem tá muito interessante, realmente a TV muitas vezes atrapalha o convivio familiar...
Bom fim de semana!